segunda-feira, junho 06, 2011

PAN - Partido pelos Animais e pela Natureza em reunião extraordinária

O Bobi e o Tareco fizeram hoje, em reunião extraordinária, uma reflexão sobre o resultado das eleições legislativas de 2011, que a direita venceu e onde o PAN - Partido pelos Animais e pela Natureza, não conseguiu o seu principal objectivo que era eleger um deputado por Lisboa.
O Tareco explicou que o problema é os animais não votarem. "No dia em que os gatos e os cães tiverem direito ao voto tudo será diferente. Essa é a nossa luta!", explicou. Numa sala bastante preenchida por coelhos, ratinhos de laboratório, peixinhos em aquários redondos, apareceram ainda apoiantes de peso como o Patinho Feio, o Bambi, o Calimero e o Dartacão, a quem o Bobi agradeceu a presença.
A meio da reunião registou-se um pequeno percalço. Um humano, com uma camisola onde estava inscrita a frase "salvem as pessoas", levantou-se e começou a gritar frases de ordem como "contra a tirania dos gatos que não fazem nada, não produzem e vivem à custa do trabalho dos donos". O humano, um homem com cerca de trinta anos de idade, foi imediatamente controlado pelos seguranças presentes, um pastor alemão e um hipopótamo, e levado para fora do espaço. Uma girafa ainda esteve para lhe atirar um ovo, mas um dos patos presentes não deixou porque, afinal de contas, um ovo é um animal.
Foi nesta altura que se gerou uma discussão profunda entre duas facções do PAN. A da despenalização do aborto, composta essencialmente por animais que gostam de ovos estrelados com sal e pimenta, e o Movimento Pela Vida, que acha que a partir do momento que o ovo é formado é para gerar vida e não para ser parte dum prato qualquer.
O Bobi e o Tareco ainda tentaram apelar à calma para regressar à ordem de trabalhos mas, entre latidos, zurros e miados, já não foi possível.

Sem comentários: